Arquivos

Séries e TV

O Mecanismo 2ª Temporada (Netflix) | Crítica

Após um primeiro ano praticamente perfeito de O Mecanismo, a produção de José Padilha tinha o desafio de no mínimo manter a qualidade do que foi apresentado. Ele conseguiu muito mais do que isso, superando o que já havia nos encantado.

A segunda temporada de O Mecanismo segue tendo Marco Ruffo como destaque, porém Verena Cardoni passar a ser ainda mais a principal ponte na PF, aprendendo com o que Ruffo lhe repassou durante todo processo investigativo, se tornando por muitas vezes o nome da PF perante o juiz Rigo.

O Mecanismo

Além da necessidade de manter a qualidade, a série tinha pela frente o enorme desafio de lidar com um marco histórico do nosso país, que com toda certeza renderia polêmica, quaisquer que fosse a abordagem usada: o impeachment de Dilma Rousseff e o caso do triplex de Lula. A meu ver, o roteiro de O Mecanismo se sai muito bem ao abordar o tema, mostrando os dois lados da moeda, seja das motivações de Eduardo Cunha aos bastidores da relação Lula-Dilma.

O ar dramático se mantém na segunda temporada, por meio das relações pessoais e familiares de todos personagens da trama, fazendo com que nós espectadores, pudéssemos sentir uma mescla de ódio e frustração, por certas coisas não se resolverem nesse país por mera incompetência ou maracutaia das partes envolvidas.

O Mecanismo

As atuações se mantém impecáveis, e é até difícil destacar alguns atores quanto a sua performance. Selton Mello (Marco Ruffo) mantém o tom vicioso de sempre ir em busca das respostas, protagonizando cenas de total insanidade e eloquência nessa temporada, muito mais do que já fez na anterior. Caroline Abras (Verena Cardoni) assume o protagonismo para si em muitos momentos, e consegue entregar de forma satisfatória um papel que tem de equilibrar o sentimento com o trabalho fundamental na PF.

Seguimos tendo um ódio mortal de Enrique Díaz (Roberto Ibrahim), o doleiro que faz todo mundo de gato e sapato para atingir os seus propósitos. Emilio Orciollo Neto (Ricardo Brecht) é um dos maiores destaques na segunda temporada, visto que o final da primeira já deixou a brecha que ele era o alvo da vez, e quando todos os holofotes viram para ele, não decepciona, entregando um personagem que passamos a odiar pela sua frieza.

O Mecanismo

O roteiro da segunda temporada é bem composto, e opta por dramatizar mais aqueles momentos que paramos para ver em frente aos jornais, e garanto que a adaptação foi além daquilo que eu imaginava, não tendo medo de colocar o dedo na ferida, seja de partido A ou partido B, fato esse que foi criticado no primeiro ano da série.

A fotografia segue belíssima, e mantém uma qualidade incrível principalmente em momentos que é utilizada ao extremo. Destaco duas cenas em específico: a viagem de Ruffo ao Paraguai e o interrogatório na PF, em Guarulhos. Duas cenas que promovem tensão do início ao fim, e que o espectador é devidamente imerso naquele drama, graças as técnicas de filmagem utilizadas, combinadas com a atuação incrível do elenco.

O Mecanismo

O Mecanismo está chegando ao momento atual de nossa política, e torço que essa história siga sendo retratada mantendo essa mesma qualidade, afinal precisamos de obras como essa, tão bem construídas, para deflagrar ainda mais os absurdos que vemos diariamente nos nossos jornais.

Avaliação

Roteiro9
Atuações10
Fotografia10
Trilha Sonora9
Continuidade9.5
9.5

Resumo

Investigações sobre alegações de corrupção em empresas de petróleo e construção, estatais e privadas, no Brasil.

Deixe uma Resposta

Raphael Riveiro
Idealizador do Dinastia Geek, fanático por séries e games, engatinhando no mundo das HQs. Harry Potter, o universo Tolkien, Liga da Justiça e Tim Burton são o melhor do maravilhoso universo nerd/geek!