Arquivos

DinastiaGoTSéries e TV

Game of Thrones – 8ª Temporada | Crítica

Habemus finalem, com um misto de euforia e decepção, mas ainda assim, habemus finalem. Afinal, já que a petição pra reescreverem a temporada final de Game of Thrones (ideia mimada e escrota) não deu certo, nos resta aceitar essa polêmica season, com erros e acertos, que culminou neste épico da HBO e, por pouco, não causou uma verdadeira batalha no fandom.

Pode até parecer exagero, mas a verdade é que Game of Thrones acostumou mal todos os nichos de espectadores possíveis. E como agradar todas essas pessoas sem frustrar ninguém? Isso mesmo que você pensou. Não tem como.

E partindo dessa conclusão, além do nível já apresentado na sétima temporada, tínhamos dois desfechos possíveis, ou D&D, os showrunners da série, surpreenderiam a todos com uma trama complexa e bem amarrada, chocando a todos, ou frustrariam a maioria dos espectadores, já que decisões precisavam ser tomadas. Infelizmente, foi a segunda opção.

Game of Thrones

Desde já posso afirmar que o que final me pareceu digno para grande maioria dos personagens e, pelo que parece, é o mesmo final que G.R.R. Martin entregará nos livros, mas o que acabou atrapalhando a entrega desta temporada foi o seu desenvolvimento, apressado, cheio de furos e remendos para que a jornada fosse devidamente concluída.

Game of Thrones obviamente figura entre as grandes séries já desenvolvidas pra televisão, e talvez esse seja o seu maior triunfo. O grande plot twist aqui é que a sua maior virtude também é a causa de sua maior fraqueza. O maldito Hype dos fãs. Por sempre se manter em um nível muito alto e entregar episódios com tratamento de cinema, GoT atraiu fãs de todos os tipos e, em seu auge, na sexta temporada, popularizou-se de uma forma que quem não assistisse a série era tratado como alienado. Esse hype todo trouxe uma responsabilidade a série e seus personagens árdua demais pra ser levada às costas.

O nível de excelência sempre foi cobrado e aos poucos a série foi adaptando os arcos de alguns personagens mais populares para agradar o povão, amenizando decisões, criando romances e diálogos às vezes vergonhosos.  O primeiro episódio desta temporada bateu todo os recordes, com 17 milhões de espectadores, e foi batido semana a semana, mesmo que dramaticamente o hype não fosse entregue.

Game of Thrones

Esses seis episódios foram um a um alimentando a esperança de que o próximo seria melhor e ao passar de cada um deles a frustração ia crescendo. Os personagens mudavam de uma hora pra outra, tomavam decisões bobas e, pra muitos, impensáveis. Pequenas dicas, antes subliminares, tornavam-se repetitivas e demasiadamente expositivas.

Tudo por causa de um roteiro, que soava raso e mal escrito em alguns momentos e que tinha diálogos sublimes (quase todos na boca de Tyrion) em outros. Era incrível o contraste de desenvolvimento de algumas tramas, que mesmo que pareçam coerentes, olhando o macro, carecia de melhores explicações (orgânicas e não forçadas).

O roteiro foi o grande vilão desta temporada. Não foi o brochante Rei da Noite, que prometeu ser a maior trama da série, nem Cersei, que não representou resistência alguma ao ser tirada do trono. Muito menos a tal “loucura” da rainha prometida. O roteiro matou todas as possibilidades de termos um fim épico em Game of Thrones.

Game of Thrones

Por falar nela, muitos podem até reclamar do arco da Mães dos Dragões, mas ele sempre foi cruel, desde a primeira temporada. O fato é que antes apoiávamos seus atos, porque parecia justo matar seu irmão Viserys, a bruxa que matou Khal Drogo, os Mestres de Astapor e Meereen, este últimos cruelmente crucificados, mesmo os que não eram cruéis com seus escravos, e até o assassinato dos pais de Sam teve apoio, afinal tem que dobrar joelho a mais justa das mulheres. Mas quando as vítimas eram o povo de Westeros já não parecia mais tão divertido.

Eu concordo que o texto da Khaleesi poderia ter sido melhor escrito e sua reviravolta mais natural e factível, mas a preguiça dos roteiristas ficou visível e criou-se conceito que já estava lá, só você não viu.

Jon Snow foi decepcionante durante os últimos 12 episódios, se tornando um gado guiado por sua rainha, mesmo a cada descoberta sobre seu passado e ao ver as atitudes tirânicas de Daenerys, se apequenando de tal forma que sua redenção no último episódio não teve o impacto, ainda que tenha sido grande, esperado. Seu fim com os selvagens foi justo e o melhor possível para personagem. Ali ele está em casa, está feliz.

Game of Thrones

O grande motivador da mudança de Jon Snow foi Tyrion, o grande destaque da temporada, que, mesmo em seus piores momentos, se apoia no talento do ator pra conduzir um fim justo para todas a jornadas. Ele era não só o cérebro de Westeros, mas o coração. É o fio condutor pra não levar a season a um desastre total. Peter Dinklage é um monstro da atuação.

Outro ponto que ficou evidente é que a série sempre foi sobre Starks. Quem duvidava disso tomou dois reis Starks de uma vez. Sansa no norte, agora independente e Bran, rei dos agora 6 reinos. A lady de Winterfell foi melhor desenvolvida e sua ascensão ao trono foi dignamente explicada, mas o Corvo de 3 olhos pareceu um tanto manipulador, por parecer já conhecer o seu destino e por muitas vezes ser irrelevante para a trama a ponto de ser esquecido. Não incomoda pela maneira que foi escolhido no episódio final, mas também não explodiu a cabeça de ninguém. Era o que tinha. Detalhe que agora seu brasão é um corvo de 3 olhos, desvinculando totalmente da casa Stark. Como ele mesmo disse, Bran Stark não existe mais.

Game of Thrones

O fato é que se esperava demais dessa temporada e por mais que seja satisfatória a maneira como terminou, deixou um gosto muito amargo de como se chegou lá. O tom melancólico do último episódio é apenas consequência de uma megalomania que invadiu o ego dos criadores, ao prometerem batalhas épicas, jamais vistas (que continuaram sem ser vistas, devido a escuridão) e entregaram meia dúzia de episódios medíocres, ainda que a direção, fotografia e trilha sonora tenham evoluído demais, em muitos momentos.

Game of Thrones nunca será chamada de a MELHOR série de todos os tempos, mas quer saber? Não precisava. Era só fazer o trivial, ser digna do legado que ela mesmo produziu, pena que conseguiu isso apenas no último episódio. O problema é que mesmo acertando, o final Agridoce não impactou o suficiente, se tornará esquecível e daqui há cinco anos ninguém vai ligar para como acabou, a menos se for pra criticar. Não tinha altas expectativas, por isso saio satisfeito com o que foi entregue no final, pois nada apaga seu legado e seus momentos incríveis, mas no ritmo que chegamos aqui não tinha mais o que fazer, afinal, o que está morto não pode morrer.

Avaliação

Roteiro4
Direção7.5
Atuação8.5
Montagem7
Fotografia8
Selo Dracarys de Qualidade4.5
6.6

Resumo

4 Comentários

  1. Sério que vc foi contra oq milhões de pessoas acham os chamando de mimados escrotos? Corajoso parabéns, mas só isso mesmo pq a noção não tem

    1. Tudo bem Matheus? Como vc está? A audiência, apenas nos EUA , de Game of Thrones é de aproximadamente 20 milhões de pessoas no dia episódio, chegando até a 32 milhões depois. Fora isso, cada episódio, nos meios ilegais tem mais de 60 milhões de downloads. Fora dos EUA a audiência é meio obscura, mas estima-se que, contando pirataria, possa passar de 150 milhões por episódio.

      As vezes é difícil de encontrar informações na internet, mas eu te ajudo, até agora 1.5 milhões de pessoas assinaram a petição, que não chega aos milhões citados por você, ou seja 1% da audiência da série.

      Se você ler a crítica com mais atenção verá que achei a 8ª temporada fraca, como a maioria dos fãs, porém diferentemente de apenas 1% dos espectadores eu aceito que erros podem acontecer, e meu mundo não vai parar por causa de uma série de fantasia.

      Infelizmente algumas pessoas não foram preparadas pra lidar com frustração e decepções, mas a vida é assim. Nem sempre acontece do jeito que queremos e se não aceitamos os nãos da vida como respostas, sentamos e esperneamos ao invés de seguir em frente, não existe outro adjetivo além de mimados. Essa é a vida. Mas veja, vocês tem todo direito de não gostar do final de Got e melhor, vc tem mais direito ainda de odiar a minha crítica, fique tranquilo, não vou criar petição alguma pra vc refazer o seu comentário. Um grande Abraço e o obrigado pelo comentário.

Deixe uma Resposta

Neto Sambora
Nerd e Publicitário da cidade do sanduíche. Amo chocolate, hambúrguer, Coca-Cola zero (sim, sou estranho!) e tudo que o Mark Millar escrever. Não me julguem, mas conheci Star Wars com o Ameaça Fantasma e sou fã do Nicholas Cage!