Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Crise nas Infinitas Terras | O Multiverso da DC na TV

Todo grande fã da DC Comics já se perguntou como seria uma adaptação cinematográfica de um de seus maiores clássicos, a Crise nas Infinitas Terras. Publicada em 12 edições em 1986, Marv Wolfman e George Perez se reuniram para criar uma história que tinha o propósito de organizar a cronologia das histórias e personagens da DC, e criar um universo para que novos leitores pudessem aproveitar e entender melhor os futuros arcos da editora.

Nos quadrinhos, heróis de vários universos se juntam ao Monitor, para derrotar seu nemesis, o Anti-Monitor, um ser que quer destruir todos os universos com sua anti-matéria. A CW, em seu sexto crossover anual resolveu apostar todas as suas fichas nesse história, e reuniu todos os heróis do Arrowverse e algumas gratas surpresas, para contar essa história de maneira condizente com o universo criado nas séries de TV.

Usando as temporadas atuais de Arrow e The Flash para avançar a trama até o crossover, os produtores já haviam dado indícios de uma Crise desde o primeiro episódio da série do velocista escarlate, quando um jornal do futuro mostrava que Barry desapareceria numa futura crise. As coisas foram evoluindo, e temos um ponto de suma importância quando no segundo episódio da segunda temporada de The Flash, entitulado Flash of Two Worlds, somos apresentados a Terra-2 e ao conceito de multiverso com a chegada de Jay Garrick.

Crise nas Infinitas Terras

Flash of Two Worlds foi a primeira história da DC Comics envolvendo o conceito de Multiverso nos quadrinhos.

Curiosidades

Indo mais a fundo, a emissora ainda adicionou séries que se passam em terras completamente diferentes, como Supergirl e Raio Negro, que durante as suas temporadas iniciais são estabelecidos como outros universos, ligados ao multiverso de Arrow e The Flash. A facilidade como a CW introduziu esses conceitos ao público é fascinante, fazendo com que mesmo quem não conhece os personagens dos quadrinhos e o universo DC, entenda de maneira didática esse conceito de terras paralelas.

No Crossover passado, intitulado Elseworlds, temos a introdução do personagem chave da nossa história, o Monitor. O Monitor era um cientista que devido a sua ambição, se tornou um ser cósmico destinado a lutar contra uma versão maligna de si, o já citado Anti-Monitor.

A Crise nas Infinitas Terras da CW

Assim como nos quadrinhos, o Monitor reuniu os maiores campeões do multiverso, para impedir o Anti-Monitor de destruir todos os universos com anti-matéria. Supergirl, Flash, Arqueiro Verde, Batwoman, Canário Branco, Átomo, Caçador de Marte e Superman, formam o time de heróis. Durante o decorrer dos episódios, nossos heróis se dividem e viajam pelo multiverso atrás de aliados, e tentando salvar pessoas da onda anti-matéria que está destruindo todos os universos, um a um.

A grande cartada da CW, méritos de seu produtor Marc Guggenheim, são as participações especiais de rostos conhecidos dos fãs da DC nos cinemas e na TV, temos o Robin da série dos anos 60 do Batman, temos um personagem do Batman de Tim Burton, temos a participação de Lois e Clark de Smallville, Brandon Routh usando o traje de Superman novamente, Kevin Conroy, o Batman das animações e dos jogos da série Arkham como Batman do Reino do Amanhã, e outras que são boas surpresas para quem acompanha a jornada da DC nos cinemas desde o Superman de Christopher Reeve, até o DCEU criado por Zack Snyder.

Crise nas Infinitas Terras

O Superman de Brandon Routh no Crossover é o mesmo de Superman Returns, tendo a história inspirada no quadrinho Reino do Amanhã, inclusive o uniforme.

Curiosidades

Usar todas essas referencias para estabelecer que todas as adaptações de quadrinhos da DC Comics fazem parte de um plano maior do Multiverso foi uma cartada de mestre, e mostra que ideias simples com boa execução podem superar a megalomania de universos compartilhados. Se a Marvel acertou nos cinemas ao criar seu universo coeso, a ligação com suas séries de TV não foi das melhores. Ponto pra Warnermedia.

A trama é simples, o roteiro de Crise nas Infinitas Terras funciona bem como algo quadrinhesco, assim como os efeitos especiais, que são limitados dentro do orçamento televisivo, mas estão acima do que vemos normalmente nas séries. São 5 episódios divertidos, seja para quem só acompanha as séries, seja para quem conhece o universo DC como um todo. Todo mundo sai ganhando, e há pequenos momentos de orgasmo nerd que não poderiam faltar. A trilha tema fica grudada na sua cabeça, e se prepare para ouvir temas clássicos de personagens conhecidos.

O futuro

Com o fim de Crise nas Infinitas Terras, temos um grande paradigma: As terras dos nossos conhecidos heróis foram fundidas em uma só, que ficou designada como Terra-Prime. Há ainda terras surgindo pelo amplo multiverso, mas os heróis ainda não sabem disso. Qual será o próximo passo? Como elevar ainda mais o nível dos crossovers anuais?

A resposta só o Marc Guggenheim sabe, mas, 5 episódios de ação e piração mostraram que a CW está pronta para entregar o melhor dos quadrinhos na televisão, e nada parece ser impossível para eles, basta ver a aparição especial do velocista escarlate do universo de Zack Snyder. Que venham mais Crises!

Show CommentsClose Comments

Leave a comment