Arquivos

Livros

A Mulher com Olhos de Fogo | Resenha

Este livro é bem diferente dos que eu costumo solicitar na Faro. Em A Mulher com Olhos de Fogo, somos levados pela história de Firdaus quase como em documentário biográfico.

No livro somos apresentadas a duas personagens, Nawal, autora do livro, psiquiatra e editora-chefe da revista Health, e Firdaus, que acaba se tornando seu “objeto de estudo”.

Em 1973, Firdaus é condenada a morte após assassinar seu cafetão. Nawal inicia sua pesquisa por “mulheres que apresentam quadro de neurose” em hospitais e clínicas. Porém tudo muda quando resolve incluir prisões em seu roteiro e, assim, conhece nossa protagonista.

Neste momento a narrativa do livro é entregue inteiramente a Firdaus, que conta todo sua história desde a infância até seu último dia (isso não é um spoiler, a autora nos passa a informação na introdução).

Firdaus nasceu de família pobre, assistia ao pai agredir sua mãe, passava frio e fome para garantir que isto não faltaria para ele (a típica relação patriarcal e machista presente no oriente médio). Além disto a garota também era abusada pelo tio (apesar dela não entender a situação como abuso).

Após a morte dos seus pais e em busca de um futuro melhor, Firdaus se muda para casa do tio em Cairo e começa a estudar. É nesse momento que comecei a questionar o livro pela primeira vez. A garota se vê apaixonada pelo tio e tenta estabelecer um relacionamento com este, porém ele se casa com outra mulher e elas passam a se estranhar dentro de casa. Firdaus então é enviada a um colégio interno para terminar seus estudos.

Quando retorna (com seu diploma do ensino médio) a garota é obrigada a se casar com um homem (muito nojento) que tem idade sufiente para ser seu avô. Não aguentando a situação Firdaus foge da casa e se abriga com um gentil homem que lhe oferece um teto. Logo, ela percebe que ele não era tão boa pessoa assim.

Fugindo mais uma vez, Firdaus cruza o caminho de Sharifa, que ensina a garota a valorizar seu corpo (ou vendê-lo melhor já que ela é uma cafetina) e a trabalhar sem misturar com seus sentimentos. Em uma noite de trabalho, um de seus clientes lhe revela a verdade… Sharifa estava lhe enganando e roubando seu dinheiro. Firdaus foge mais uma vez.

Firdaus passa a se prostituir por conta própria, e assim junta uma boa quantia em dinheiro, porém, a jovem acha que lhe falta honra. É então que decide usar seu diploma e buscar um emprego em um escritório. Logo ela percebe que a tal honra não lhe dava respeito ou valor, depois de uma desilusão amora, ela percebe o que realmente queria e volta a ser uma prostituta de sucesso.

A fama teve suas consequências, e trouxe para sua vida Marzouk, um cafetão que lhe aborda e ameaça, não deixando outra escolha que não seja aceitá-lo em sua vida. Em resumo, a situação de abuso toma rumos insustentáveis e para ser livre e sobreviver, Firdaus o mata.

Ao longo do livro questionei muitas vezes sobre como a personagem tinha tanta dificuldade em enxergar as coisas como elas realmente são, acredito que muito disso seja devido a sua criação e crenças da sociais em que vive. Porém, ao mesmo tempo, é interessante ver a libertação desta quando ela compreende o que está acontecendo e busca se distanciar ou melhorar a situação.

Firdaus é uma guerreira que vê no mundo tudo o que há de bom e, apesar da vida difícil, encontra forças para tomar as rédeas da situação e fazer o seu melhor. Infelizmente, ela paga um preço caro por isto, mas sem nunca abaixar a cabeça.

Apesar de parecer que já te contei tudo, acredite ainda tem muito para ser lido nesse livro, que fala sobre a história de uma mulher que só desejava ser livre e tomar as próprias decisões. O grito feminista de uma mulher que podia salvar a si mesma.

O encadernado é mais um trabalho lindissímo da Faro (que sempre consegue me surpreender). A capa possui relevo localizado brilhante, mas a surpresa e destaque ficam para a sua parte interna, um belo padrão em tom de azul e dourado que parecem saltar aos olhos. A impressão, como sempre, está excelente, com cores vivas na capa e qualidade em seu miolo.

Gostou da resenha? Pretende ler o livro? Conta pra gente nos comentários!
Você pode adquirir sua cópia, com desconto, neste link.

Avaliação

Enredo9
Personagens10
Diagramação10
Acabamento10
9.8

Resumo

Esta ficção é baseada no relato verdadeiro de uma mulher que espera sua execução em uma prisão no Egito. Sua história chega até a autora, que resolve conhecer Firdaus para entender o que levou aquela prisioneira a um ponto tão crítico de sua existência. “Deixe-me falar. Não me interrompa. Não tenho tempo para ouvir você”, começa Firdaus. E ela prossegue contando sobre como foi crescer na miséria, sua mutilação genital, ser violada por membros da família, casar ainda adolescente com um homem muito mais velho, ser espancada frequentemente, e ter de se prostituir... até que, num ato de rebeldia, reuniu coragem para matar um de seus agressores, levando-a à prisão. Esse relato é um implacável desafio a nossa sociedade. Fala de uma vida desprovida de escolhas, mas que em meio ao desespero encontra caminhos. E, por mais sombrio que isso possa parecer, sua narrativa nos convida a experimentar um pouco dessa liberdade encorajadora através das transformações internas de Firdaus. O que acontece com ela é o despertar feminista de uma mulher. A AUTORA: NAWAL EL SAADAWI, 87, é uma escritora, ativista, médica e psiquiatra feminista egípcia. Saadawi foi presa pelo presidente Anwar al-Sadat em 1981 por supostos “crimes contra o Estado”. Ela escreveu muitos livros sobre as mulheres no Islã, e se dedica, em especial, à luta contra a prática da mutilação genital feminina no Oriente Médio. Nawal é tratada como “a Simone de Beauvoir do mundo árabe”. Seus livros já foram traduzidos para mais de 28 idiomas e são adotados em universidades do mundo inteiro. Seus discursos atualmente se concentram na crítica à tentativa de normalizar o que ela considera a opressão aos costumes das mulheres na África e Oriente Médio. Depois de quatro décadas da revolução islâmica, muitos já consideram normais as restrições aplicadas às mulheres, incluindo as próprias mulheres.

Deixe uma Resposta

Bia Lourenço
Bia Lourenço, paulistana, formada em Design Digital e Pós-Graduada em Eventos. Apaixonada por Harry Potter, Mulher-Maravilha, Batman, Sakura Cardcaptors, Turma da Mônica e Star Wars. Autora no blog www.biialou.com