O respeito que as mulheres deveriam ter em jogos online

0
197
views

Se você é uma pessoa assídua em jogos online, deve entender exatamente do que esse post se trata. Quantas vezes você, por ter algo no jogo que te assimile ao sexo feminino –seja um nick, uma skin, jeito de se expressar- o levou a receber vários xingamentos, argumentos de superioridade e machismo puro?

Quantas vezes você teve que mudar de nick para não ser identificada como mulher, para não ter que gerar discursos de ódio e poder simplesmente jogar em paz? Quantas vezes jogar sozinha é uma dor de cabeça, afinal, jogar com time fechado ou com amigos é muito mais gostoso e amigável. Mas às vezes mutar o time inimigo, acaba sendo necessário.

E aí? Quantas vezes?

Eu imagino, e tenho certeza, que não é um quadro somente brasileiro, não é padrão BR, infelizmente. Mas precisamos parar com a misoginia e nos alertar. Ao invés de continuarmos nos comparando com outros lugares e nações, e achar que como em todo lugar ocorre tudo bem acontecer. Não devemos nos acostumar NUNCA. Precisamos levar isso adiante e lutarmos juntos contra qualquer tipo de discurso de ódio. Seja com mulheres, homens e gays. São assuntos futuros, e que podemos conversar o dia inteiro sobre, mas o foco hoje é sobre sexismo. E precisamos entender de que não existe competição de que mais sofre. De novo, precisamos acabar com qualquer tipo de violência e assédio, e só conseguimos juntos.

Não devemos nos submeter a deixar de fazer as coisas com medo de que descubram que somos mulheres. Não podemos ter medo de argumentar, questionar e se divertir porque somos mulheres. Não podemos ignorar e aceitar que é normal. Não há sexo frágil.

“Mulheres gamers, nerds, geeks… Querem todas chamar atenção. Não entendem nada, não sabem de nada. Só se acham”

Por que acham que queremos agradar somente os outros? Por que acham que não podemos realmente gostar? Por que não passa na cabeça de vocês, que simplesmente amamos a cultura nerd, igual a vocês? Não precisamos nos mostrar para ninguém, não devíamos nos provar para ninguém. Não é uma competição. Devemos nos unir para que isso favoreça o que mais amamos.

“Ah, se mulher jogasse teria elo alto e estaria mais no competitivo.”

Já pararam para pensar que muitas desistem no meio do caminho por conta de tanto ódio? O jogo que acompanho é League of Legends, e sim, tivemos uma mulher no competitivo brasileiro. Era a Cute, inclusive, única challenger (liga mais alta) mulher. Afirmou que ignorou muita coisa e sofreu bastante, mas conseguiu porque queria se provar. Estava no Preparando Campeões da CNB, e lá, precisaram usar esse time em um campeonato. Iriam substituir o time principal. A responsabilidade foi grande, jogaram o que puderam mas a vitória não foi conquistada.

Para quem acompanhou viu claramente que a derrota não foi culpa dela. Vários fatores foram somados para a derrota, e para quem tem noção básica do jogo, a última pessoa que seria culpada nessa derrota seria ela e sua rota. Mas não, a comunidade precisava culpar alguém, e claro que seria ela.

Entre muitos outros jogos, existem campeonatos femininos, e o de Counter-Strike Global Offensive é o que mais me orgulha. Mesmo com tantas conquistas e batalhas, todos os times se esforçam e lutam contra esse tipo de preconceito.

Se você está jogando mal, “tinha que ser mulher”, se está jogando bem, “está sendo carregada”. Muitos homens detestam jogar menos que alguma mulher, afinal, na pequena cabeça deles, se sentem inferiores.

Afinal de tudo, por que nós precisamos ouvir/ler isso e não termos um ambiente de igual pra igual?

Quando comecei a jogar, há uns 7 anos atrás, eu  achava que precisava jogar tão bem quanto os meus amigos. Não era só para me provar, mas provar para os outros de que eu estava aonde estava por meu mérito. E no fim, pra quê? Não precisamos provar nada a ninguém. Jogar numa rota que muitos acreditam que é mais “fácil” e só mulher joga, não deveria nos preocupar. Não precisamos nos importar. Precisamos nos divertir e jogar no que gostamos.

Em parceira com a Women Up, Boot Camp e a organização americana Wonder Woman, lançaram a campanha #MyGameMyName, que é exatamente isso. Lutar contra o bullying e assédio que as mulheres sofrem.

No Dia Internacional da Mulher não! TODOS os dias desejamos apenas respeito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here