Arquivos

Não categorizadoSéries e TV

CHEGOU A GUERRA! O que esperar da 8ª temporada de Walking Dead?

Neste Domingo, 22 de outubro, teremos a premiere da 8ª temporada Walking Dead e Rick Grimes e sua turma percorreram um grande caminho até encontrar o antagonismo de Negan e seus Salvadores. Desde a fuga para Atlanta, eles passaram pelo CCD, pela fazenda de Hershel, a prisão, enfrentaram o Governador em Woodbury, depois de novo o governador na prisão, se separaram, fizeram uma perigosa jornada até Terminus, enfrentaram os Canibais, voltaram a Atlanta para buscar a Beth no hospital, rumaram para Washington, tomaram Alexandria, enfrentam os lobos, e muitooooooooos zumbis nesse meio tempo, até finalmente conhecerem Hilltop, O Reino, Ocean’s Side e a turminha do lixão. UFAA, até cansei! Muita coisa, não é mesmo?

Foi uma longa jornada cheia de altos e baixos, o famoso efeito gangorra de Walking Dead. Aliás, esta sempre foi uma característica do show, episódios de desenvolvimento intercalados com ação e reviravoltas inesperadas. Porém na última temporada sofremos com problema de ritmo em muitos episódios e para muitos, a season deixou muito a desejar, sendo uma das mais fracas da série.

Ok, estávamos mal acostumados. A sexta temporada foi uma das melhores, senão a melhor, com episódios espetaculares tanto de ação (a invasão dos zumbis a Alexandria), de desenvolvimento (Morgan e seu Aki-dô) ou de tensão (o encontro com Negan). E a sétima temporada começou com mortes tão chocantes e significativas para o grupo.

Mas o fato é que salvo alguns bons momentos com Negan, Ezequiel, Meg e alguns lapsos de Rick, Carl e sua trupe, tivemos episódios com pouca movimentação e muita enrolação. Quem não se irritou com a repetição da música no episódio da prisão de Daryl (On easy street, yea we got a front row seat…) ou ficou pensando “que merda é essa” ao assistir o episódio focado na Tara? (sim, na Tara). Não, não sou hater, gostei de muitos momentos, principalmente da atuação de Andrew Lincoln e sua entrega ao personagem, mas a temporada ficou muito abaixo das expectativas.

Para a próxima temporada esperamos um arco que fez muito sucesso nas HQs que servem como inspiração para série: All Out War, ou na tradução oficial Guerra Total. Finalmente veremos o confronto das comunidades de Alexandria, Hilltop e Reino enfrentando os Salvadores. Então algo que não deve faltar neste ano é ação, pancada e explosões e muitos confrontos e reviravoltas que causaram mortes importantes, em ambos os lados.

Negan e Rick Grimes devem se enfrentar muitas vezes. Então espero diálogos primorosos, cada um defendendo seu ponto de vista e colocando em prática planos para derrubar um ao outro, como se estivessem em um jogo de xadrez visceral. Jeff Dean Morgan é um ator primoroso e vestiu o personagem de Negan de maneira absurda, ao ponto de roubar a cena, sempre que aparece. De outro lado Andrew Lincoln é emocional e entregou um Rick Grimes quebrado, devido a muitas perdas, mas que tem lutar e se reerguer. Vai ser um confronto épico!

Alguns outros personagens tendem a crescer, como Meg que deve derrubar Gregory e se tornar a líder de Hilltop ao lado de Enid e Jesus. Jesus, por sinal precisa se livrar da síndrome de guia de turismo.” Agora chegamos em Hilltop, que fica no alto de uma montanha”, “Este é Reino, que se chama assim porque tem um rei! Ahh esqueci de mencionar ele tem uma tigresa de estimação”, “Você já conhece o santuário? Não? Eu vou te apresentar”. Pois é, ele pode ser muito melhor desenvolvido e ser fundamental na trama. Já o Reino promete ser um grande aliado a Alexandria e provavelmente irão sofrer grandes perdas. Carol, Morgan e Daryl já vêm há muito tempo perdendo importância na série e precisam ou se firmar na história ou não devem durar muito, apesar de achar que a AMC dificilmente se livraria de Daryl, um personagem tão amado. Carl deve evoluir e ficar mais violento e Michonne deve amadurecer ainda mais seu relacionamento com Rick.

Outros personagens secundários, podem ganhar mais importância como Padre Gabriel, cada vez menos odiado, e Aaron, motivado por perdas próximas, devem ser mais relevantes a trama se mostrando úteis ao grupo de Alexandria. Algumas cenas no trailer me deixaram no mínimo curioso em relação a eles. Tara e Rosita são incógnitas pra mim e sinceramente não sei o que pensar sobre elas. Eugene pode ser o elo pra vitória de Rick, mas ele é inconstante e não é confiável.

Walking Dead é uma das maiores séries já criadas e é um fenômeno de audiência, porém acredito que a próxima temporada será crucial para corrigir alguns rumos e decisões erradas que foram tomadas na última session. Lógico que não basta ação, tem que ter desenvolvimento, reviravoltas na trama e pouca enrolação. Queremos voltar a amar essa série que caiu muito em qualidade, mas promete demais nesta session. Provavelmente teremos um salto temporal, mortes significativas e algumas traições, mas todas essas situações só serão relevantes se ajudarem a contar como Rick e sua trupe continuam sobrevivendo ao apocalipse zumbi. Me surpreenda Walking Dead. (On easy street…)

2 Comentários

Deixe uma Resposta

Neto Sambora
Nerd e Publicitário da cidade do sanduíche. Amo chocolate, hambúrguer, Coca-Cola zero (sim, sou estranho!) e tudo que o Mark Millar escrever. Não me julguem, mas conheci Star Wars com o Ameaça Fantasma e sou fã do Nicholas Cage!